quarta-feira, 19 de março de 2014

O Início do Modernismo em POA: Moinho Chaves

O Moinho Chaves é citado no livro de Günter Weimer como a segunda edificação de Porto Alegre com os pressupostos que futuramente viriam a compor o Modernismo. A edificação localizada na Avenida Voluntários da Pátria foi projetada em 1919 pelo renomado arquiteto Theo Wiederspahn. A fachada apresenta a inscrição "1920" sendo provavelmente o ano em que o local ficou pronto, anteriormente essa era a sede do então chamado Moinho Porto-Alegrense (WEIMER, 1998).
Como citado no post anterior, o Moinho Chaves apresenta uma extrema simplificação de sua fachada, sendo notados apenas motivos geométricos e o símbolo da Família Chaves Barcellos. Deve-se ressaltar que Theo Wiederspahn também projetou o prédio da Cervejaria Bopp, sendo este o exato oposto em termos estéticos em comparação ao moinho. Weimer (1998) aponta a edificação como de grande importância a nível internacional, pois a construção pode ter sido a primeira dentro da capital a se utilizar do conceito de planta livre, sendo assim, o local não apresenta paredes internas. O autor ainda afirma que a edificação adquiriu em sua época de inauguração notório reconhecimento pela técnica construtiva diferenciada. 


O local abrigou durante muito tempo a atividade de moinho, sendo desativado para comportar um depósito de produtos químicos. Até alguns anos atrás o prédio serviu de sede comercial para a empresa Ferramentas Gerais. No período em que esta firma administrou o local, a fachada apresentava as cores verde e branco em alusão a logomarca do respectivo empreendimento. Atualmente quem explora comercialmente a área é a Dufrio Refrigeração, sendo que toda a fachada do prédio foi pintada em tons pastel. 



WEIMER, Günter. Arquitetura modernista em Porto Alegre: entre 1930 e 1945. Porto Alegre: Prefeitura de Porto Alegre, 1998.

Um comentário:

Igor Freitas disse...

“Chaves Irmãos em 1921 dotavam a capital do Estado de um estabelecimento moderno para moer trigo. O Moinho Porto Alegrense da firma Chaves Irmãos se ergue soberbo na nossa principal artéria commercial. Nós que escrevemos, tivemos occasião de visitar os moinhos de Chicago, Boston, Buenos Aires e outros da Europa, a installação dos diversos andares do Moinho honra o país e a actividade do gaúcho.”


Trecho extraído do livro: As forças economicas do estado do Rio Grande do Sul no 1º centenário da independência do Brasil : 1822-1922 Autor: Vicente S. Blancato
Editora: Livraria do Globo
Data: 1922.

Parabéns pelo blog!